Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O RAPAZ DAS ILHAS

28
Fev18

No meu tempo é que se jogava futebol!

DIREITOS RESERVADOS

 

Se o futebol português fosse como o que eu jogava na escola primária com os meus amigos era limpinho, limpinho. As regras eram claras, o jogadores de topo – e com amor à camisola, que nem existia –, o jogo era só dentro de campo – de cimento, ainda por cima –, o árbitro nunca se enganava ou roubava – até porque não existia – e o melhor de tudo é que a baliza era sempre ocupada por um guarda-redes praticamente da sua largura – durante um curto espaço de tempo fui esse ser amável e mal tratado. A única coisa menos boa é que, raras vezes, havia porrada, mas nada de grave e quando acabava eramos todos amigos outra vez.

 

Há uns dias, um amigo fez uma partilha no Facebook sobre as regras do futebol “no meu tempo” e mais coisa, menos coisa aquilo bate certo com o que vos descrevo acima. E mesmo não sendo as regras da minha autoria, mas sim da página “É Golo”, achei por bem partilhar convosco, porque me ri imenso e porque tenho a certeza que muitos mais bons rapazes se vão identificar com elas. São 21, mas vale a pena tirar 3 minutos para as conferir.

 

Hoje os rapazes com 8 anos leem livros de Youtubers que ensinam a ser um unicórnio. Na minha altura não havia esse tipo de conteúdo literário e só passávamos pela experiência de ser um cavalo com um corno no meio da testa a voar num céu colorido, mais tarde, quando experimentávamos drogas leves – coisa que nunca fiz, embora possa parecer. Quando eu tiver filhos, para além de gozarem comigo por na infância jogar futebol, vão fazer o quê, ver desenhos animados que são anfíbios que vivem na Terra, estudam em Marte e passam férias na lua? O futuro é assustador. Mas isso é outra história!

 

Fiquemos agora pelas regras:

 

“1º- O gordo é sempre o guarda-redes; 
2º- O jogo termina quando todos estiverem cansados; 
3º- Embora o jogo esteja 20 a 0, “quem marcar, ganha!!”; 
4º- Não há árbitro; 
5º- Só se marca falta se for muito claro, ou se sair alguém a chorar; 
6º- Não há foras-de-jogo, vale estar à mama;
7º- Se o dono da bola se chateia…acaba o jogo; 
8º- Os melhores jogadores não podem jogar na mesma equipa e são eles que escolhem os jogadores para a sua equipa; 
9º- Ser o último a ser escolhido é a maior humilhação; 
10º- Nos livres diretos, a barreira vai estar sempre perto da bola; 
11º- A partida tem uma pausa quando passa um adulto ou uma senhora com um bebé; 
12º- A partida para quando a bola entra pelo vidro de alguma casa, café, carro…ou quando passa um camião, autocarro ou carro. Se for motas ou bicicletas… segue o jogo; 
13º- São inimigos eternos os jogadores do bairro mais perto; 
14º- Os que não sabem dar um pontapé na bola, são suplentes ou quando muito… defesas; 
15º- Se chegam os mais velhos, temos que sair do campo, mas não, sem protestar primeiro; 
16º- Há sempre um vizinho que não te deixa jogar ou que ameaça que te fica com a bola; 
17º- Se se aposta alguma coisa, jogamos como se fosse uma final; 
18º- As balizas são duas pedras, ou latas, mas vai haver sempre uma equipa que tem a baliza mais pequena; 
19º- Quando uma equipa marcar um golo de chapéu, a equipa adversária vai gritar sempre “FORA”( para que o golo não seja validado); 
20º- Os foras são marcados com o pé e é possível atirar contra um adversário e seguir a jogada (foras “à cigano”); 
21º- Num penalty, o gordo sai sempre da baliza e quem defende é o melhor jogador.”

 

Só para terminar, importa esclarecer que fiz história, joguei em todas as posições. Uma grande carreira, é o que é!

 

Segue-me nas redes

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

2 dedos de conversa

PATRÍCIA MATOS em 2 DEDOS DE CONVERSA

Publicado por Rodrigo Pereira em Domingo, 15 de Abril de 2018

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D