Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O RAPAZ DAS ILHAS

14
Out17

Fogaça de Alcochete

COPYRIGHT O RAPAZ DAS ILHAS

 

Nos primeiros tempos em Lisboa optava por fazer boa parte das compras para casa na mercearia do senhor Zé e da Dona Maria de Jesus, a melhor do país. O atendimento personalizado e a simpatia do comércio tradicional é algo que nenhuma grande superfície consegue oferecer. Quando ainda não estava bem familiarizado com certos produtos, perguntava-lhes o que eram e de onde vinham e era sempre esclarecido com a resposta mais completa e detalhada possível.

 

Um dia cheguei à mercearia quando lá estava fornecedora das fogaças a deixar uma dose fresquinha e a Dona Maria propôs-me trazer uma para experimentar. Explicou-me que se tratava de um doce originário de Alcochete produzido com base em farinha de trigo, manteiga e ovo e com um toque forte de canela e limão. Fiquei convencido e trouxe, mas quando cheguei a casa quis saber da sua história, porque pela comida podemos descobrir a cultura de um povo. Descobri que é um bolo quinhentista que tem origem no cumprimento de uma promessa dos barqueiros de Alcochete à Senhora da Atalaia depois de terem saído salvos de uma tempestade marítima.

 

Hoje, nem tanto, mas contínuo a ir à mercearia fazer algumas compras específicas, como é o caso das castanhas, das clementinas do Algarve e claro da fogaça de Alcochete. Lá de tempos a tempos vai uma. É bom, mais ou menos barato, e alimenta – tudo o que um estudante que vive longe de casa precisa, portanto.

 

Segue-me nas redes

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

2 dedos de conversa

PATRÍCIA MATOS em 2 DEDOS DE CONVERSA

Publicado por Rodrigo Pereira em Domingo, 15 de Abril de 2018

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D